.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

MAGISTRADO GLAUTEMBERG BASTOS DE LUNA, SOMENTE AGORA PEDE BAIXA NA EMPRESA EM QUE É PROPRIETÁRIO

AVILTANDO GRAVEMENTE A LEI ORGÂNICA DA MAGISTRATURA, INCLUSIVE DESDE QUANDO TOMOU POSSE O MAGISTRADO GLAUTEMBERG BASTOS DE LUNA, SOMENTE AGORA PEDE BAIXA DA EMPRESA JUNTO À RECEITA FEDERAL DO BRASIL


O magistrado-empresário Glautemberg Bastos de Luna requereu recentemente a baixa de sua empresa junto à Receita Federal do Brasil, o que comprova que o mesmo desde o momento da posse era empresário, o que impossibilitaria o referido magistrado de assumir a magistratura à época; se o Tribunal de Justiça da Bahia tivesse tido conhecimento. Fica portanto patente que o magistrado Glautemberg efetivamente é empresário até então; devendo explicar por qual razão deixou de informar ao TJ Ba a propriedade de sua empresa; uma vez que se tivesse declarado estaria impedido de ter tomado posse como juiz.
Como muitos são apadrinhados, é possível que o magistrado Glautemberg tenha uma explicação que convença os responsáveis no TJ Ba. Contudo, convém salientar que a nova Presidência instaurou a Nova Ordem que mudará em definitivo a forma e maneira de promover justiça no Estado da Bahia, elevando cada vez mais o judiciário ao patamar merecido. Esse mesmo magistrado que prendeu um servidor e pai de família sem justo motivo, é o mesmo magistrado que omite do poder judiciário que seria EMPRESÁRIO e que portanto não poderia ter tomado posse,devendo responder por CRIME DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA,se assim entender o CNJ, inclusive podendo perder a função e ser obrigado a devolver o que recebeu desde a posse como magistrado ( que ironia do destino heim?). Agora as providencias serão adotadas junto ao Ministério Público da Bahia. É inacreditável, mas até juiz empresário o Tribunal de Justiça da Bahia tem.Pense em um absurdo, a Bahia tem precedentes! Vejam que o magistrado requereu a baixa da empresa recentemente.


0 comentários