.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

PAULO AFONSO,BAHIA: CONCURSADOS DERROTADOS AMEAÇAM REPRESENTAR CONTRA PROMOTORA QUE DEIXOU DE INTERPOR RECURSO

APÓS O JULGAMENTO DO PROCESSO SOBRE O CONCURSO REALIZADO PELA PREFEITURA DE PAULO AFONSO MINISTÉRIO PÚBLICO DEIXA DE RECORRER
 
 
 
 
Concursados do certame ocorrido na cidade de Paulo Afonso , na Bahia teve o seu processo, ação civil pública, interposta pelo MP local, refutado pelo Tribunal de Justiça da Bahia, ocorrer que por ter sido o titular da ação, entendem os concursados que acreditavam piamente na vitória, que o MP de Paulo Afonso na Bahia deveria ter interposto o recurso Especial para o STJ, o que deixou de ser feito pelo representante do "parquet", causando frustação e comoção à todos aqueles que ainda tinham alguma esperança por um resultado positivo e que poderia ter sido mudado pelo Superior Tribunal de Justiça. É certo que compete ao Ministério Público a diligência para a interposição do competente recurso, não o fazendo deveria ter comunicado aos crédulos concorrentes, por qual motivo deixava de proceder em relação a tal iniciativa.

 
Em conversa com alguns concursados, os mesmos informaram que estão se mobilizando para realizar uma  RECLAMAÇÃO no Conselho Nacional do Ministério Público em Brasília, contra o promotor que deixou transcorrer o prazo sem a interposição do recurso especial. Até então, desconhecendo o fato do transito em julgado do processo, os concursados acreditavam que havia possibilidade de vitória e  que o processo seria diligenciado até a instancia final, não permitindo o transito em julgado ainda na fonte do Tribunal de
Justiça da Bahia. Descontentes e bastantes chateados alguns concursados manifestaram tristeza e depressão e afirmaram que não tinham mais fé se quer no Ministério Público da Bahia. A pergunta então é: Porque o Ministério Público não recorreu já que era o titular da ação civil pública?


0 comentários