.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

domingo, 2 de dezembro de 2012

RECURSOS HUMANOS- LIDERANÇA E COACHING

 Liderança e Motivação
Janeiro 0-, 2012 - 03: 1 
O PAPEL DO COACHING DENTRO DA ORGANIZAÇÃO
Verifica-se que a utilização dessa prática caracteriza-se na interação voltada à facilitação da aprendizagem, ao desenvolvimento de habilidades e a disseminação do conhecimento.
O Papel do Coaching dentro da organização

Resumo
coaching é muito utilizado no ambiente organizacional em países da América do Norte, da Europa e da Ásia. Verifica-se que a utilização dessa prática caracteriza-se na interação voltada à facilitação da aprendizagem, aodesenvolvimento de habilidades e a disseminação do conhecimento. Através desse estudo surge o seguinte questionamento qual o papel do coaching dentro da organização? Verifica-se que as organizações a cada dia necessitam de meios que visem o desenvolvimento e a aprendizagem dos seus colaboradores, com isso observa-se a necessidade do entendimento e aprimoramento dessa técnica dentro das organizações. Esse trabalho visa um entendimento e aprimoramento mais significativo no que diz respeito ao papel coaching dentro de uma organização, e quais os meios utilizados que facilitam o desenvolvimento deste. Para o estudo foi utilizada uma pesquisa bibliográfica.
Palavras-chaves: Coaching. Liderança. Organização empresarial.
1 Introdução
Hoje as empresas estão buscando desenvolver seus colaboradores, uma das formas utilizadas é agregar conhecimento, fazendo com que esse busque formas de aperfeiçoamento. Através disso verifica-se que existem algumas práticas que facilitam e ao mesmo tempo são aplicados nesse processo. Nesse trabalho será abordado a prática e o papel do coaching dentro da organização.
O papel do coaching dentro da organização caracteriza-se como um facilitador do aprendizado, onde existem algumas etapas.
coaching no Brasil não é muito conhecido, principalmente por ser um tema novo, mas o seu crescimento é constante, especialmente nos grandes centros, onde a busca por palestra, congressos, cursos, artigos, tem a finalidade de promover a formação da prática em diversas finalidades.
Nesse sentido, surge o seguinte questionamento: qual o papel do coaching dentro da organização? A partir deste contexto, apresenta-se como objetivo deste artigo estudar o papel do coaching dentro da organização, visando mostrar sua importância dentro da mesma. Para esse fim, recorreu-se à pesquisa bibliográfica, buscando fundamentar os conceitos de coaching e sua aplicação dentro de organizações. Segundo Gil (1999) a pesquisa bibliográfica é desenvolvida a partir de material já elaborado, constituídos de livros e artigos científicos.
Cervo e Bervian (1983, p. 55) apontam ainda que “a pesquisa bibliográfica procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos.”

2 Conceito de Coaching
Nos últimos anos o termo coaching passou a ser utilizado dentro das organizações. Este termo, que tem origem no campo esportivo, é utilizado para demonstrar o papel do técnico. A função do coaching é incentivar e ajudar as pessoas a alcançarem melhores resultados, através do desenvolvimento de novas habilidades.
O conceito de coach segundo Krausz (2007), é tão antigo quanto à própria humanidade. A autora afirma que Sócrates, por meio de diálogos e questionamentos com seus discípulos, descritos por Platão, e baseado no principio de que a verdade está dentro de nós, praticava um dos métodos de coaching, demonstrando sua eficácia.
Segundo a Wikipédia (2010), o termo Coaching surgiu em Kócs uma cidade Húngara, onde o mesmo representava uma “carruagem de quatro rodas”. Seu início foi através de gírias de universitários norte-americanos, que designava o designava como um “tutor particular”, ou seja, alguém que prepara o aluno para exames de determinados cursos e matérias.
Para Chiavenato (2008), quando se trata do termo coaching, pode-se observar que é um relacionamento que envolve duas pessoas – o líder e o subordinado representados pelo coach e o aprendiz o que caracteriza o vínculo que impulsiona talentos, cria competências e estimula potencialidades. Nesse relacionamento, o coach lidera, orienta, guia, aconselha, treina, desenvolve, estimula, impulsiona o aprendiz enquanto este aproveita o impulso e direção para aumentar seu conhecimento, melhorar o que já sabe e aprender coisas novas para deslanchar no seu desempenho.
O fator principal do coaching é ajudar uma pessoa a mudar, na maneira que deseja e a ir na direção que quer, ou seja, o coaching cria consistência, capacita à escolha e produz a mudança, além de revelar o potencial de uma pessoa para maximizar seu próprio desempenho. Conforme cita Blanco (2006) em analogia ao exposto, essa acepção foi relacionada ao termo guia, tutor, instrutor ou treinador.
Krausz (2007), afirma que a utilização do termo coaching, no sentido contemporâneo do termo, apresenta diversas versões. Na literatura sobre o assunto, entretanto, dois nomes são freqüentemente citados. O primeiro é de Timothy Gallwey, professor de tênis, autor de um livro que aborda a prática esportiva como um jogo interior, desenvolvendo uma abordagem diferenciada de ajuda para as pessoas aperfeiçoarem sua capacidade de jogar tênis. Em vez de berrar ordens ou dar instruções aos seus alunos, como fazia a maior parte dos professores da época, baseou seu método no principio da habilidade inata que o corpo humano possui de aprender a movimentar-se. O segundo nome é o de Thomas Leonard, um contabilista e administrador financeiro bem-sucedido, procurado por clientes para discutir não apenas questões financeiras, mas também aspectos ligados à atividade profissional e planejamento de carreira.
A noção associada à prática do coaching é muito genérica. Conforme cita Blanco (2006), um coach é um profissional treinado e dedicado a guiar outros no desenvolvimento progressivo de competências, de comprometimento e de autoconfiança, por meio da interação humana, a aprendizagem de habilidades, de cultura e de valores torna-se mais viável.
Ainda de acordo com Blanco (2006), os principais construtos que compõem a prática do coaching são relacionamentos colaborativos e de igualdade.
Na atualidade, essa tendência é mais acentuada nos países de língua inglesa que contam com dezenas de empresas que oferecem treinamentos. Para ela as associações de coach também têm se multiplicado nesses países (KRAUSZ, 2007).

3 O processo de coaching e suas diferenças com demais processos
Pode-se observar que existem diferenças entre coaching e outros processos. De acordo com Gil (2008), segue abaixo algumas características:
- Em relação à psicoterapia: essa enfoca o indivíduo e seus problemas pessoais enfatizam o passado, enquanto que o coaching volta-se para problemas de desempenho profissional, e se dirige ao futuro;
- Em relação ao aconselhamento: esse busca lidar com empregados que se encontram abaixo da média, tem dificuldade de cumprir prazos, esse faz com que o colaborador reconheça a necessidade de mudar, enquanto que o coaching destina-se a qualquer empregado, e fornece elementos que convém ao colaborador decidir se irá mudar ou não;
- Em relação ao treinamento: esse é dirigido a um grupo, tem os objetivos definidos e operacionais, enquanto que no coaching esse é individual e os objetivos são definidos ao longo do processo;
- Em relação ao mentoring: esse é aplicado àqueles empregados que tem muito potencial, e que se revelam promissores, o mentor precisa ser escolhido entre as pessoas capazes de representar os valores da organização.
Conforme cita Krausz (2007), de inicio coaching, se caracterizava com uma atividade informal e esporádica de pessoas que, por sua experiência, confiabilidade e capacidade de estabelecer relacionamentos empáticos, eram procuradas para com elas se discutirem problemas e partilhar pontos de vista, opinar sobre questões de ordem pessoal, de carreira, de dificuldades profissionais.
De acordo com Pacheco (2005), o coaching consiste em uma metodologia que promove o acompanhamento e a orientação por meio de diálogos, com foco na pessoa, na sua aprendizagem, no desenvolvimento decompetências, no seu desempenho, nos resultados a serem alcançados, no futuro e na liderança. O autor explica que os objetivos do coaching são sempre de curto prazo e fundamentados em um processo continuo de feedback em face de resultados alcançados e daquilo que se propõe a atingir junto ao interessado.
Como cita Krausz (2007), o coaching contribui para que indivíduos e grupos se transformem, ao impactar suas visões e valores, apoiá-los na reinvenção e remodelação do pensar e agir, mediante um processo participativo e dirigido de aprendizagem.
Gil (2008), afirma que o termo coaching tem sido confundido com treinamento, desta forma ele explica as diferenças entre esses dois processos:
a) o treinamento geralmente é dirigido a um grupo, enquanto coaching é individual;
b) O treinamento trabalha com objetivos definidos e operacionais, no coaching, os objetivos são definidos ao longo do processo.
c) O coaching exige um relacionamento muito mais franco e intenso do que o treinamento.
4 A importância dos coaches e o seu papel
Conforme cita Gil (2008), em um ambiente de mudanças constantes e reestruturação estratégica, é necessária à mudança de hábitos. Os colaboradores precisam aprender coisas novas, adotar novos métodos de trabalho. Eles sentem necessidade de fazer algo diferente, não querem fazer sempre à mesma tarefa, daí verifica-se que os mesmos possuem necessidades particulares que precisam ser supridas. As organizações percebem que a atenção individual é muito mais eficiente do que um treinamento em grupo.
Hoje com todas as mudanças tecnológicas a organização a cada dia percebe o quanto é importante reter talentos, e gerir o seu capital humano, mas para isso são necessários meios que gerem condições para o desenvolvimentodessas pessoas, assim pode-se observar o papel do coach dentro da organização.
De acordo com Gil (2008), a empresa necessita realizar o diagnóstico constante de desempenho das pessoas para verificar quando alguém necessita de coaching. O que na maior parte das vezes acaba não sendo uma tarefa fácil, pois depende de diversos fatores, que estão relacionados tanto ao contexto físico quanto ao organizacional. Abaixo segue algumas situações em que indicam a necessidade de coaching:
a) Contratação de trainees;
b) Desempenho gerencial;
c) Períodos de transação;
d) Fracassos;
e) Desempenho inadequado;
f) Decisões pessoais.
De acordo com Somoggi (2000), as diferenças entre chefe e coach, são marcantes conforme apresentadas no quadro I.
Chefe Coach
Controla o comportamento Libera o potencial
Dá ordem Motiva
Foca na execução da tarefa Foco no processo
Resolve problemas Ouve e ensina a resolver problemas
Assume a responsabilidade Compartilha a responsabilidade
Dirige as pessoas Serve as pessoas
Quadro I – Diferença entre Chefe e Coach
Fonte: Somoggi (2000, p. 38)
No quadro acima, pode-se observar que o papel do coaching é muito mais do que um chefe. Isso quer dizer, precisa ser alguém de confiança do colaborador, porque ele não deve apenas se preocupar em dizer o que precisa ser feito, mas sim, ensinar o que se deve fazer, para que o colaborador raciocine, analise as situações e as conseqüências na busca da melhor saída para os problemas pois cada pessoa é diferente por si só, então é necessário que cada pessoa tenha um tratamento diferenciado tanto nas suas falhas quanto no seudesenvolvimento. Um exemplo importante é em relação ao futebol. Existem aquelas pessoas que sem muito treinamento possuem habilidades e conseguem se desenvolver rapidamente, enquanto outras treinam a todo o momento, mas mesmo assim precisam repetir várias vezes determinadas jogadas, para conseguirem memorizar.
Desta forma, é relevante ressaltar, como diz Krausz (2007), que o coaching focaliza as forças que nos dão coragem para subir mais alto, olhar mais profundamente, ir mais longe, provocar com delicadeza, usar o humor, caminhar com agilidade, sonhar e agir com retidão.
Conforme explica Senge (2002) e Gil (2008), as empresas têm percebido o quanto é importante gerir seu capital intelectual, o que significa criar condições para seu constante desenvolvimento. Os autores reconhecem o papel do profissional coach na empresa da seguinte forma: as pessoas são diferentes entre si; as pessoas são interdependentes; as pessoas comportam-se de acordo com suas crenças; as pessoas têm um potencial bem maior do que aqueles que demonstram ter; melhor do que ensinar é ajudar a aprender; o aprendizado deve ser constante; as pessoas e os negócios são inseparáveis; as pessoas precisam de estímulos ao longo de sua trajetória profissional; uma nova economia está emergindo; as empresas requerem trabalho de equipe; as pessoas precisam ser acompanhadas em seus períodos de transição; as empresas procuram novos equilíbrios e é mais barato consertar do que trocar.
Pode se observar que o papel do coaching não é uma novidade. Ao observarmos, por exemplo, uma família, veremos que a educação que os pais fornecem aos filhos, nada mais é do que o coach, pois os pais se tornam tutores.
Nesse sentido, o papel do coach é (LIDER COACH ...,2010):
- Liberar o potencial de cada indivíduo;
- Incentivar as pessoas para o auto- desenvolvimento;
- Ouvir e ensinar – a atenção e percepção sobre as necessidades das pessoas são fatores fundamentais para o coach;
- Compartilhar responsabilidades – o coach deve assumir a responsabilidade de analisar, juntamente com o colaborador, as situações inesperadas, e então redirecionar os planos de ação sempre que for preciso;
- Orientar as pessoas – o coach analisa, juntamente com as pessoas, as situações que interferem na condução dos projetos e redireciona os planos de ação sempre que necessário;
- Saber reter talentos – o coach pode ajudar as pessoas na obtenção de novos conhecimentos, no desenvolvimentode novas habilidades e na busca do aprendizado constante.

5 Desenvolvimento do coaching
Segundo Krausz (2007), o objetivo do coaching é apoiar a pessoa para que ela atinja resultados, através de mudança no seu comportamento, como um todo no desenvolvimento e na sua realização. Assim, nas empresas, novas competências surgiram e esta nova idéia de liderança tem significado a saída para melhoria de muitas empresas no que compete a sua exigência no mercado altamente competitivo. É necessário que as empresas criem ambientes com condições propicias para que seu colaborador aprenda e evolua em parceria com seus lideres, que vivendo num mundo moderno não podem agir de maneira autocrática usando o poder para conseguirem seus objetivos.
coaching é um processo que se desenvolve numa seqüência de etapas. Às vezes não é possível identificá-las com clareza. Debordes (1998 apud Gil 2008) apresenta o sistema MENTOR, elaborado com bases nas iniciais dos nomes em francês de cada uma de suas fases: Mesuer (medir), Écouter (escutar), Negocier (negociar), Tirer (sacar), Organizer (organizar) e Reconnaitre (reconhecer). Conforme cita Kinlaw (1999 apud GIL 2008), este apresenta três estágios: envolvimento, desenvolvimento e solução.
É necessário que se estabeleça uma relação entre o coach e o cliente, ou seja, um relacionamento de franqueza e confiança onde aconteça feedback, troca de experiências, para que o desenvolvimento seja eficaz.
Conforme cita Krausz (2007), coaching é um processo que contribui para que as pessoas e os grupos se transformem, reflitam a respeito de sua visão de mundo, de seus valores e crenças, aprofundem sua aprendizagem, incorporem novas habilidades e capacidades, expandam sua prontidão para agir de forma coerente e eficaz.
O processo de coaching é uma das alternativas que tem se tornado eficaz para tratar de dificuldades, mudanças, questões relacionadas com aprendizagem, desenvolvimento e aproveitamento do potencial e dos talentos das pessoas, no âmbito pessoal e profissional.
6 Coaching como Estratégia de Liderança
Segundo Krausz (2007), o coaching favorece um tipo de cultura organizacional na qual predominam relacionamentos cooperativos, troca constante de conhecimentos, experiências, informações e feedback relevantes para a aprendizagem e o desenvolvimento pessoal e profissional dos membros da organização. São constantemente encorajados a refletir sobre o sentido do seu trabalho, compartilhar idéias e opiniões, analisá-las, compará-las e assumir a responsabilidade por suas decisões.
Conforme Bergamini (1997), a relação e liderança da grande maioria dos chefes conhecidamente autoritários são tipicamente incapazes de conseguir um ambiente de trabalho em que aqueles que trabalham se sintam normalmente propensos a criar, impedindo, a descoberta de maneiras inéditas e melhores de se realizar o trabalho, como resolver os diversos problemas.
Algumas organizações adotam métodos que facilitam o papel dos Lideres dentro da empresa, transformando-os em coaches, levando essa prática para dentro da organização, fazendo que o líder seja como um promotor de aprendizagem dentro do ambiente de trabalho. Abaixo segue alguns modelos de liderança focados no processocoaching:
- O Coaching como Modelo de Liderança diminui a pressão sobre os Liderados.
O Líder Coach tem como ponto de partida o respeito incondicional pelo liderado enquanto ser humano. Isto é natural e imediatamente percebido pelo liderado – seja de uma forma consciente ou inconscientemente – o que diminui o antagonismo e as barreiras ao exercício da Liderança por parte do Líder Coach, melhorando e solidificando, desta forma, a Relação de Liderança. (NÃO BASTA SER..., 2010).
- O Coaching como Modelo de Liderança diminui a pressão sobre o Líder.
Neste modelo, o Chefe muitas vezes entendia que ele – e nada além dele – era a única coisa que separava a Organização para a qual ele trabalhava do mais completo Caos: este tipo de pressão psicológica por vezes cobrava algum preço, seja emocional, ou mesmo em termos de Saúde física. O Modelo de Liderança baseado no Coaching, ao diminuir a pressão sobre o Líder, não só contribui para o Aumento de sua Qualidade de Vida, como também libera a atenção do Líder para aquilo que realmente é da sua Competência: o Ganho imediato é uma Liderança mais Focada em Resultados e na Geração de Valor para o Negócio. (NÃO BASTA SER..., 2010).
Para Pacheco (2005) o coaching deve ser realizado por todos os gestores no dia-a-dia, mas nem todos estão preparados para desenvolvê-los e poucos conhecem os seus benefícios.
O líder-coach, que as organizações tanto precisam, é aquele que cria condições para que o liderado aprenda e se desenvolva, aumentando sua iniciativa e criatividade. Nesse processo é imprescindível à confiança mutua, pois os profissionais necessitam aprimorar habilidades específicas, sentem que necessitam de mudança em sua carreira, encontram dificuldade na recolocação profissional, sentem resistência em sua equipe de trabalho, entre outras funções. O coach é aquele que proporciona desenvolvimento antes de cobrar performance.
Através da aquisição das habilidades desejadas, o líder tem condições de exercer sua capacidade de líder-coach, buscando a formação de líderes em sua própria equipe de trabalho. O líder-coach utiliza ferramentas como feedback e delegação, mas, acima de tudo, preocupa-se com o desenvolvimento de seus liderados, tanto nos aspectos profissionais quanto nos pessoais. São muitas as vantagens do coaching, os liderados se beneficiam com a aquisição de habilidades que farão à diferença no mercado de trabalho, aumentando, inclusive, sua empregabilidade. A organização ganha com a existência de equipes de alta performance, alinhadas aos objetivos esperados.
Os líderes, por sua vez, além de contarem com equipes mais preparadas, ganham uma “escola prática” de liderança, desenvolvendo competências muito além da teoria. Tendo em vista que a competitividade cada vez mais acirrada, é mais do que necessário que as organizações aprendam com seus próprios erros e se adaptem às mudanças. (O LIDER COACH ..., 2010)
7 Coach no Ambiente Empresarial
Conforme relata Gil (2008) o coach é, portanto, um profissional que se compromete, no âmbito de uma organização, a apoiar as pessoas que visam alcançar determinado resultado. Para ele coach é por excelência o profissional do empowerment, pois o que lhe compete é dar poder para que a pessoa efetive as mudanças necessárias em seu ambiente de trabalho ou em sua conduta.
O Líder Coaching, deve conhecer muito bem cada um de sua equipe, o que somente é possível através de acompanhamento diário, pois, coloca-se numa posição de uma cultura voltada para a aprendizagem continuada para o alcance de resultados crescentes. É essa postura que o mercado exige dos novos profissionais para que as organizações alavanquem rumo ao futuro.
O estilo de liderança destaca a organização fazendo com que outras organizações sintam-se atraídas pelo modelo adotado ou não. Existem "líderes" que mandam, não sabem delegar, não treinam, tratam seus liderados como se soubessem de tudo esquecendo-se que estão em fase de aprendizagem, as pessoas ficam limitadas a serem executoras de tarefas e a obedecer.
Alguns Líderes Coaches, estabelecem trajetórias de carreiras, que ajudam seus liderados a identificarem sua missão e com isso passam a ter uma visão realista do que possuem e o que podem possuir e em quanto tempo, estes estão sempre dispostos a fornecer o feedback constante a fim de manter sua equipe motivada e com sua estima em alta, sabendo-se que estima depende da própria pessoa.
O Líder Coach é um formador de profissionais qualificados, não perdendo o foco da sua natureza do seu "eu". Nessa mesma linha, podemos concluir que a liderança não se inicia pelas competências e habilidades, é um conjunto de caracteres próprios de uma pessoa, tais como: convicções, valores, ética, o cargo que ocupa, missão, visão, atitudes e a consciência que uma pessoa tem de si mesma.
O Líder Coach envolve as pessoas mesmo sabendo que as características são diferentes e que é preciso saber lidar com essas diferenças, desenvolve suas atividades fundamentando-se que os contextos devem ser diferentes, mas específicos, este não faz o serviço para o liderado, ele desenvolve as habilidades necessárias que o liderado necessita para que o objetivo seja atingido. É isso, um comportamento participativo, onde as pessoas possam desenvolver o seu lado criativo, pensarem por si só, descobrir estratégias capazes de solucionar problemas, propor sugestões e colocá-las em prática (UMA QUESTAO DE ..., 2010)


Considerações Finais
Verifica-se que as organizações estão a cada dia buscando meios que facilitem o desenvolvimento de seus colaboradores, sejam através de treinamentos, consultas. Uma das formas de liderança mais utilizada é ocoaching, processo em que existe o coach e o aprendiz, e este busca desenvolver o aprendiz em diversos setores, fazendo com que ele tenha o coach como um tutor. Para que exista um relacionamento efetivo entre coach e aprendiz é necessária à confiança pois o coach deve fazer com que o aprendiz o tenha como um seguidor, desenvolvendo assim suas competências.
Num ambiente competitivo, as empresas precisam a cada dia, desenvolver meios que facilitem e ao mesmo tempo torne seus profissionais capazes de resolver problemas e lidar com situações difíceis. Mas na maior parte dos casos a pessoa não consegue verificar quais são suas necessidades o que precisa fazer para mudar, e com isso se torna desestimulada para qualquer mudança. Nesse momento surge o coach, uma técnica, onde o coach se torna um facilitador do conhecimento, que faz com que a pessoa consiga desenvolver habilidades, que antes nunca foram imaginadas, identificando talentos e habilidades, em pessoas que as vezes já havia perdido a esperança, a organização consegue identificar lideres.
coaching é um processo que ajuda a pessoa a sair do poço mais fundo, e enxergar a realidade e a vida que a rodeia, esse processo é muito importante na organização, e pode ser aplicado a qualquer profissional, e traz resultados excelentes na vida das pessoas. Além disso, o coaching é um dos temas mais discutidos atualmente nas organizações e vem representado muito mais do que mero modismo, ou seja, significa uma saída para que as empresas tenham equipes de alta performance, atuando em função dos resultados esperados e adaptando-se às exigências do mercado. Verifica-se que o papel fundamental do coach é o de formar novos líderes, utilizando a técnica do desenvolvimento pessoal, a transformação, através de preparação, auto-estima, controle emocional e de confiança.
Com isso observa-se que o papel do coaching dentro da organização é muito importante, pois com ele consegue-se desenvolver muitas habilidades nos colaboradores, e estes se tornam mais motivados.

fonte: http://www.rhportal.com.br/artigos/wmview.php?idc_cad=q98xb8pj7

0 comentários