.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

quinta-feira, 29 de março de 2012

MAIS ROUBALHEIRA DOS POLÍTICOS CORRUPTOS NO BRASIL DE MERDA

Ilhéus: ex-prefeito e ex-secretarios são acusados de desviar dinheiro público

Eles são acusados de desviar R$120 mil que seria destinado à reforma de uma escola pública. Os alunos assistiam às aulas em igrejas e terreiros



Da Redação

O ex-prefeito de Ilhéus Valderico Reis e os ex-secretários de Educação, Almir Pereira, e de Obras, Celso Luiz Assereuy foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público estadual por estarem envolvidos num esquema de desvio de R$ 120 mil da verba pública.

Eles são acusados pela promotora de Justiça Karina Cherubini de terem cometido crime de peculato e falsidade ideológica, após se associarem para desviar o dinheiro que seria destinado à reforma de uma escola pública. Além do ex-prefeito e ex-secretários, estão envolvidos os representantes da D.S.D.S.D.A. Construtora e Pavimentadora Ltda, Washington dos Santos e Deborah Sthepanie de Santana.

Desvio
Com o pretexto de pagar as obras de ampliação e reforma da Escola Municipal do Basílio, eles desviaram o dinheiro entre junho e novembro de 2006. Um contrato chegou a ser firmado entre a Prefeitura e a empresa D.S.D.S.D.A. Construtora e todos os pagamentos foram efetuados, mas as obras nunca foram realizadas.

A acusação diz que a empresa foi contratada sem que houvesse qualquer tipo de licitação, mas, ainda assim, o então prefeito determinou o empenho e o pagamento das parcelas acordadas, diz a promotora.

Os ex-secretários chegaram a declarar que os materiais foram recebidos e que os serviços foram prestados e que Washington dos Santos recebeu os pagamentos em nome da empresa mantida por Deborah Sthepanie de Santana.

Sem reforma, a escola não pôde mais funcionar e cerca de 200 alunos que estudavam no estabelecimento tiveram que assistir aula em salas improvisada na igreja, na sede da Associação de Moradores Unidos do Fundão e no Terreiro de Odé, o que ocorreu, inclusive, por determinação do então secretário de Educação

0 comentários