.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

RELEMBRANDO: ESQUEMA DE VENDAS DE SENTENÇAS NA BAHIA

Advogados de André Cintra dizem ter certeza sobre execução

Por: Redação Bocão News - 29 de Janeiro de 2012 - 12h05
  • 0
Crescem os rumores de que o empresário André Cintra e seu filho, Matheus Cintra, foram vítimas de execução na sexta-feira (27). Inicialmente até se cogitou briga de trânsito, mas o advogado James Adordo revelou a A Tarde ter certeza de que foi execução: “Havia pessoas interessadas na morte de André porque ele foi um dos principais fornecedores de documentos comprobatórios das fraudes apuradas pelo Ministério Público”. Essa apuração era justamente em torno da Operação Janus, esquema em que juízes, advogados e desembargadores fomentavam a venda de sentenças na Bahia. Após ter perdido espaço no esquema criminoso, André passou a ser um informante do núcleo investigativo. “Ele ajudou bastante no nosso trabalho porque estava no núcleo onde as negociatas aconteciam”, afirmou ao A Tarde um promotor de justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que preferiu não se identificar.


Um dos alvos do dossiê foi a magistrada Nadja de Carvalho Esteves, então titular da 8ª Vara de Substituições de Salvador, apontada como uma das envolvidas no esquema. Em conluio com outros colegas, Nadja era acusada de deferir decisões em favor dos interesses de seu marido, o juiz aposentado Flávio Castro, que hoje atua como advogado. Relatório da Controladoria Geral da União dá conta de que o casal movimentou E$ 12 milhões em contas bancárias entre 2003 e 2007. Cintra também forneceu documentos para o Gaeco com supostas irregularidades na cadeia sucessória de terrenos são longo da avenida Paralela, onde estão em construção vários empreendimentos. Segundo o promotor Gervásio Lopes, membro do Gaeco, a documentação de Cintra se baseia em um parecer de um especialista em direito imobiliário. Os documentos sugerem possíveis irregularidades desde 1991 em registros cartoriais de imóveis.


Foto: Gilberto Júnir - Bocão News

FONTE:http://www.blogger.com/blogger.g?blogID=1971906248314294289#editor/target=post;postID=1812605810378588829

0 comentários