.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

quarta-feira, 24 de abril de 2013

COMO PENSAR UM BRASIL MELHOR

O QUE FALTA AO BRASIL E AOS BRASILEIROS POR UM BRASIL MELHOR?
MAIS BOLSA FAMÍLIA OU ENSINO DE FILOSOFIA?



Estudei o curso normal no ICEIA, em 1979/81, formei-me professor de séries iniciais até a antiga 5a série, com este curso, em 1983 passei em Direito na UFBa. Na minha antiga escola secundarista tinhamos como disciplina EMC, educação moral e cívica, didática do ensino ,sociologia e filosofia . Ingresso na UFBa, tinhamos OSPB Organização Social e Política Brasileira, filosofia, sociologia.
Na época da ditadura, portanto, com ou sem apoio dos militares o ensino provocava profundas reflexões nos estudantes; lembrando-me aqui do professor JJ Calmom de Passos discorrendo sobre ética e consumando o ensinamento afirmando que ética é tudo aquilo que deixamos de fazer, mesmo quando todas as circunstancias estariam favoráveis para que fizessímos. E como exemplo veio a idéia de que estando em um supermercado, onde não existiriam pessoas olhando e nem vigilantes, eu poderia roubar algum produto e ainda assim não o faço. Professora Marília Muricy certa feita afirmou em sala de aula que o aluno jamais poderia confundir o ato de ver com o objeto visto.
Hoje, nos dias de hoje, trocamos informação por conhecimento. Na minha época tinhamos a leitura da Barsa e da enciclopédia Conhecer e quase todos leram "O pequeno Príncipe" e éramos todos obrigados a pensar e buscar um Brasil melhor, que naquela altura, o melhor seria a luta pelas diretas e destituição do governo militar.


Instigados cotidianamente a pensar o rumo da nação e incansadamente buscavamos participar das atividades estudantis, incluindo as festas na faculdade UCSal, no convento da Lapa.Vendo hoje a juventude opaca, universitários literalmente alienados; muitos dos quais sem conhecimento e completamente despreparados; enfraquecidos e fraquejados por uma mídia obscura que inculca que o sucesso é ter grandes carros, prestígio entre a suas tribos,mulheres e cervejas. Criando-se ainda a falsa ideia  de que para se sentir seguro é fundamentalmente importante estar bêbado, drogado e malhado; preocupando-se em sua maioria ( os homens) com o tamanho do pênis .
Ter um filho numa faculdade principalmente particular hoje em dia já não é tanto motivo de orgulho, quando não se verifica que os acadêmicos sejam capazes de se indignarem e se manifestarem. Sendo tal atitude sempre, resultado de reflexões e profundas análises filosóficas do mundo ao seu redor.
Diante desse dilema, nos perguntamos o que seria pensar um Brasil melhor? Com tantas diversidades e tamanha a balburdia midiática fabricada pelo marketing de exageros. Criam-se diariamente idiotas, fortificados, sem capacidade de reflexão e propostas de revolução. Revolucionar mais o que? Pois essa turma já encontrou a internet e trocou informação por conhecimento, e aceitou como ético a corrupção cotidiana em seu mundo cruel e tem como objetivo o consumo vendido como sucesso: O carro do ano, a mulher gostosa e a bebida do momento. A esquerda que assumiu o poder, discutiu a distribuição de renda e mitigou a fome dos sequiosos que desfilavam entre o lixo e  os esgotos, deu espaço curto aos mais necessitados (louvável por sinal) e ocupou as universidades com estudantes obliterados , sem conhecimentos de português e o mínimo de síntese redacional.
O Brasil melhor pensado, passa então, com certeza pela educação. Educação que remunera melhor, que incentiva o doutorado, que forma melhores alunos e profissionais competentes e reflexões profundas sobre o que é melhor para nação brasileira: COPA DO MUNDO OU SAÚDE E EDUCAÇÃO? BOLSA FAMÍLIA OU GERAÇÃO DE EMPREGOS?
A esquerda estudantil de ontem é a burguesia de hoje e está no poder, elitizada distribuindo farelos aos porcos, proibindo a nossa juventude de pensar.
Não queremos os militares no poder de volta, mas também queremos democracia pura e simplesmente; para que possamos ter a liberdade de escolher não pela promessa de emprego, telha ou cargo comissionado. Mas pelo compromisso de qualidade na gestão pública. Essa deveria ser a nova cara da nova esquerda brasileira.Uma esquerda livre e desimpedida da corrupção que assola o Brasil.

0 comentários