.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

domingo, 18 de outubro de 2015

ACUSADO DE CORRUPÇÃO, STF MANDA PRENDER ADVOGADO ACUSADO DE CORRUPÇÃO DE MENOR EM PLENA SESSÃO

APÓS SUSTENTAR SUA DEFESA ORAL, O ADVOGADO RECEBEU VOZ DE PRISÃO, EM CRIME QUE O CONDENOU A 24 ANOS DE PRISÃO.



Sentença confirmada

Supremo nega Habeas Corpus a condenado por corrupção de menores

Os ministros da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal se sentiram fortemente constrangidos quando o advogado Levi Cançado Lacerda, condenado a 24 anos de prisão por atentado violento ao pudor e corrupção de menores,  ocupou a tribuna para sustentar em causa própria, na defesa de pedido de Habeas Corpus para aguardar em liberdade o julgamento de recurso.
O pedido de Habeas Corpus foi apresentado contra acórdão do Superior Tribunal de Justiça, que já negara o pedido para apelar em liberdade. A decisão do STJ deixou sem efeito liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio, que entendia ser inadequada a prisão preventiva neste caso, pois estava baseada unicamente na gravidade abstrata da imputação.
O constrangimento, provocado não apenas pelas circunstâncias inusitadas da auto-defesa no caso, mas também pelo fato de que o réu-advogado deveria estar preso, aumentou ainda mais depois que, negado o pedido de Habeas Corpus, o ministro Luiz Fux  pediu que o advogado fosse preso ali mesmo no recinto do julgamento. Ficou vencido, pois os outros ministros alegaram que o STF não tem a praxe de determinar a prisão no próprio tribunal.
A confusão continuou assim que o advogado deixou o tribunal, sem algemas. Já na parte externa da corte, ele foi interpelado e ameaçado pelo advogado André Francisco Neves, que presenciara o julgamento na turma. Neves  agarrou Lacerda pela colarinho e o levou até policiais militares que estavam do lado de fora da corte. Explicou que ficou indignado com a situação e pediu que os policiais prendessem Lacerda. Devido às agressões , os dois advogados foram conduzidos à Delegacia. Ao jornal, Lacerda afirmou sua inocência e disse haver depoimentos que não foram validados.
Lacerda foi acusado de constranger, entre fevereiro de 2005 e abril de 2008, mediante violência presumida, 10 crianças do sexo masculino, com idades entre 8 e 13 anos, a praticarem atos libidinosos. Na mesma época, segundo o processo, ele também praticou crime de corrupção de menores contra outras duas vítimas, uma com 15 anos e outra com 17 anos.
Em primeiro instância,  foi condenado a 24 anos de prisão, em regime inicial fechado, por atentado violento ao pudor (artigo 214 do Código Penal) e corrupção de menores (artigo 218 do CP), combinado com o artigo 244 do Estatuto da Criança e do Adolescente (corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la). A decisão foi confirmada em segundo grau e pelo STJ, o que, para o ministro Luís Roberto Barroso, esgota o assunto: “Já não há mais dúvida da situação de fato. Tendo havido convergência entre o primeiro grau, segundo grau e STJ, com decisão já proferida em acórdão, voto pela revogação da liminar”.
HC 111.551

0 comentários