.

.

Total de visualizações de página

Você é a favor da pena de morte?
Sim
Não

Pessoas Online

Arquivos

Meus Vídeos

Loading...

Seguidores

TV NBR AO VIVO

domingo, 17 de fevereiro de 2013

PREFEITO DE SALVADOR DA AULA DE GESTÃO

Operação vai retirar os ambulantes das passarelas

Raíza Tourinho

Joá Souza | Ag. A TARDE
  
Passarela que liga o Iguatemi à Rodoviária é uma das que têm o metro quadrado mais disputado. 

O reordenamento planejado pela Prefeitura de Salvador começa nesta segunda-feira, 18, com a retirada dos ambulantes das passarelas. A ação, parte da operação Ordem na Casa, da Secretaria da Ordem Pública (Semop), pretende banir o comércio informal desses locais até meados do ano.

Considerado "emergencial" pela prefeitura, o ordenamento deve contar com apoio das polícias Civil e Militar, além da Guarda Municipal. Entretanto, a Semop garante que a intenção é que seja uma ação pacífica.
"As passarelas não são locais para se ter ambulantes, pertencem ao pedestre", enfatiza a titular da pasta, Rosemma Maluf, acrescentando que não há garantias de segurança a esses profissionais em passarelas.
Segundo ela, a maior parte dos vendedores que atuam nesses locais não é licenciada. "Se houver alguém que esteja regularizado, nós vamos relocar", afirma.
Crítica - O presidente da Associação de Trabalhadores Informais de Salvador, Arismário Barreto, o Alemão, afirmou que a entidade até concorda com o ordenamento, mas reprova a retirada dos trabalhadores. "Tem que padronizar e organizar a cidade. Mas, simplesmente retirar, sem dar opção para a pessoa trabalhar, não existe", afirma.
"Existe, sim, uma sensibilidade social. No entanto, um gestor público tem que pensar na coletividade, e não no indivíduo", ressalta Rosemma. Apesar da urgência na retirada, ela reconhece que não há efetivo suficiente para realizar a fiscalização cotidiana. Atualmente, o órgão possui 150 agentes de fiscalização - número que deve aumentar "gradativamente", segundo suas expectativas.

Há cerca de 11 mil trabalhadores informais regularizados na Semop, mas a estimativa, classificada como "modesta" pelo órgão, é de que o número real de ambulantes seja bem maior: 40 mil. Boa parte deve ser retirada das ruas, pois a secretaria não pretende expedir novas licenças até a finalização do ordenamento, em 2014.

"Cara nova" - A promessa da Semop é de que não apenas as passarelas sejam reorganizadas. "Salvador estará de cara nova até o início do próximo ano", declara Rosemma. Para tanto, além da retirada dos informais de passarelas e outros locais considerados impróprios (como a calçada da orla, para os que não sejam vendedores de coco, cana e acarajé), outras ações estão sendo estudadas. É o caso da requalificação de regiões "congestionadas" de camelôs: a Avenida Sete, Calçada, Cajazeiras, Rodoviária e Lapa.

O projeto de requalificação dessas áreas, elaborado pela Fundação Mário Leal Ferreira, deverá ser apresentado no próximo dia 20. O estudo foi elaborado com base em visitas técnicas aos locais e também em reuniões com representantes dos comerciantes informais.
Dentre as propostas adiantadas ao A TARDE, está a relocação de parte dos vendedores, da Avenida Sete para São Raimundo. Para garantir o fluxo de clientes, algumas linhas de ônibus serão desviadas da Lapa para o local. A ideia é que as calçadas da avenida fiquem livres para o trânsito de pedestres. "O passeio é de todos e não de um grupo. Vai ser um desafio hercúleo, mas vamos ordenar a cidade", afirma Rosemma.

0 comentários